Um aprendizado para toda a vida. A qualidade dos cursos de inglês na pré-escola


img-quem-somos

Hoje em dia, escolas de educação infantil estão oferecendo uma variedade cada vez maior de aulas extras como benefícios aos seus alunos, com o claro objetivo de se destacar em um mercado tão competitivo. Aulas de natação, quadras com atividades motoras, brinquedos de primeira linha, balé, música, artes,… e o tão procurado “curso de inglês” – tudo isso faz parte de um pacote de serviços que destaca a instituição de ensino junto a seus maiores clientes: os pais, que procuram muito mais do que uma boa negociação nas mensalidades na hora de fazer sua escolha.

Em sua maioria, os pais levam hoje uma vida profissional e pessoal atarefada e estressante, sem tempo, ou mesmo conhecimento suficiente para avaliar a qualidade do curso de inglês que a escola do seu filho oferece. Pode não parecer, mas a qualidade do ensino de um idioma na infância é fundamental, pois é a chave para que a criança tenha uma sólida base e que possa, principalmente, desenvolver o “gosto” pelo idioma, dois aspectos que irão acompanhá-lo por toda a vida. Você conhece algum adolescente ou adulto que “não goste” de inglês, ou alguém que tenha muita dificuldade de aprendê-lo? Muitas pessoas? Estas pessoas certamente não aprenderam o idioma na infância, ou, se aprenderam, não o fizeram da forma correta. Esta é a diferença.

Seguindo esta nova tendência, e, para não ficar atrás da concorrência, algumas instituições de ensino fazem a opção de contratar professores de inglês independentes, sem metodologia específica, mas com uma proposta financeira atraente, que acabam se tornando “a tia do inglês”. Outras, mais preocupadas com a qualidade dos serviços que oferecem, acabam optando por firmar parcerias com redes especializadas no ensino de idiomas. Estes mantenedores, com visão pedagógica e empreendedora, buscam no mercado especialistas no assunto, e hoje oferecem a seus alunos os melhores cursos de inglês especializados em crianças.

A questão é: o inglês da escola de seu filho é de qualidade? Como saber?

Só um profissional da área de ensino de idiomas pode avaliar se um professor está apto ou não a ministrar aulas. Em geral, o perfil da “tia do inglês” é o de um profissional que tem habilidade no trato com crianças, algum conhecimento do idioma, e que usa metodologia própria. Ensina-se as cores básicas, números, algumas expressões e palavras.

Mas, o que há de preocupante nisso?

Toda criança de até 7 anos tem uma vasta capacidade de aprender idiomas e literalmente absorve tudo o que lhe é ensinado, sem filtros ou resistências, aprendendo inclusive, infelizmente, “erros” de pronúncia e vícios de linguagem que a “tia do inglês” pode nem perceber que possui. Além disso, a falta de uma metodologia estruturada com exercícios específicos para cada fase ou idade da criança pode levar a aulas sem objetivo e sem continuidade, consequentemente, sem o aprendizado natural adequado à fase infantil.

Todo profissional da área de ensino sabe que é difícil fazer um aluno “desaprender” algo que ele já incorporou, para reaprendê-lo de forma correta. É quase uma missão impossível! Se uma criança aprende uma pronúncia errada ou um vício de linguagem, é provável que jamais consiga livrar-se dele. Experimente ensinar um adulto que fala, por exemplo, “mortandela” a passar a falar “mortadela”, e você verá como é difícil livrar-se de vícios adquiridos na infância.

Ensinar inglês para uma criança requer não só um completo e bem estruturado curso, como também um professor treinado, que seja fluente, que saiba aplicar o método de ensino, e que fale inglês o tempo todo em sala de aula. O método de ensino deve buscar o aprendizado natural através de atividades lúdicas que estimulem a criança a interagir com o novo idioma e a aprender como aprendeu sua primeira língua: brincando e se divertindo, e assim aprendendo de forma inconsciente.

A idéia de que para crianças pode-se ensinar “qualquer coisa, de qualquer forma, porque mais tarde (lá pelos 12 anos), você poderá matriculá-lo em um curso melhor” é tão absurda quanto a antiga idéia de que ensinar idiomas para crianças não faz bem. Toda criança já nasce com a habilidade de aprender línguas e, por isso, aprende com muita facilidade e sem interferências, ou seja, aceita tudo o que lhe é ensinado. Seria um desperdício não aproveitar esta fase. O que aprendemos na infância, levamos para o resto da vida.

Então, porque uma pré-escola opta por contratar a “tia”? Por falta de conhecimento no assunto, importância insuficiente dada ao curso de inglês, ou quando leva em conta somente a questão financeira. Cabe, então, aos pais a tarefa de conscientizar a escola para a importância de um curso de inglês de qualidade para o futuro de seu filho.

Veja abaixo algumas dicas práticas para avaliar o inglês da escola do seu filho:

1.Verifique como é o livro ou o caderno de exercícios que seu filho utiliza nas aulas de inglês. É importante que este material seja o mais interativo possível. Veja se há uma seqüência onde os assuntos que se aprende no início são revisados ou incorporados em aulas futuras. Cursos sem livro podem indicar métodos não estruturados.

2. Verifique se o tema da aula não é algum assunto “de moda” como “O Sítio do Pica Pau Amarelo”, pois pode indicar que não existe metodologia e que as aulas são apenas improvisadas em cima de um tema agradável.

3. Peça para ver o programa anual do curso e a continuidade dos assuntos abordados. A falta de um programa anual também não é um bom sinal.

4. Se você fala inglês ou conhece alguém próximo que possa falar com seu filho, brinque com ele com algumas palavras simples como cores, números ou nomes de animais e verifique a pronúncia. Seja criterioso. Um professor que fala fluentemente um idioma não comete erros de pronúncia.

5. Verifique se o professor fala inglês o tempo todo em sala de aula, pois esta é a única forma de se aprender um idioma naturalmente e com sucesso. Aulas de inglês “em português” são perda de tempo.

6. Pergunte quantos estágios tem o curso, e o que aluno saberá daqui a dois ou três anos. Preocupe-se se obtiver respostas como: “algumas palavrinhas”, “algumas estorinhas”, ou “ele terá uma noção da língua”. Uma boa metodologia de ensino para crianças tem como objetivos principais o aluno gostar de inglês e estar motivado a aprender mais, entender o que lhe é dito e ter uma boa pronúncia. Falar é uma conseqüência de uma boa compreensão do idioma.

 

Sylvia Helena Palma de Moraes Barros
Diretora Pedagógica
Fun Languages The Kids Club

O melhor curso de inglês só para crianças!
www.funlanguages.com.br